JC Office

Ergonomia

Para a quase totalidade dos usuários de informática, a utilização do microcomputador como ferramenta de trabalho  significa não mais que sentar diante da máquina, ligá-la e executar suas tarefas. Poucos, no entanto, têm conhecimento  de que uma cadeira inadequada, um monitor com luminescência além do limite aconselhável, ou mesmo a falta de um    apoio para a mão na utilização do mouse ou do teclado podem ser sinônimo de desconforto e até mesmo de  problemas físicos.

Diversos problemas podem surgir quando não são usadas ferramentas adequadas às características de cada pessoa.  Existem vários itens que devem ser ajustados a cada pessoa:

  • Cadeira: deve ter um encosto alto, com apoio para os braços, da mesma altura do teclado. Precisa estar posicionado  exatamente na curvatura lombar, fazendo com que a coluna se mantenha apoiada.
  • Mesa: Deve ter regulagem independente de altura para monitor e teclado. Deve medir aproximadamente 75 cm de  altura, mas o teclado tem de estar a 68 cm, na altura do cotovelo.
  • Vídeo: A parte superior deve estar à altura dos olhos, a uma distância mínima de um braço, de modo a manter a  cabeça na posição vertical.
  • Teclado e mouse: Quando usar o mouse, movimente o braço inteiro, e não somente o punho. Deve-se sempre  procurar manter um apoio para o braço e para os punhos.

Problemas com o uso de computadores não estão somente relacionados com uma má postura ou com o uso de equipamentos inadequados. Também se deve levar muito em conta, a apresentação, ou a forma como os programas de aplicação que o usuário estiver usando se comportam e se compõem. Cores muito fortes, ou programas que possuem muitos pontos chamativos, tiram a atenção do usuário, causando uma poluição visual, que com o passar do tempo, resultam em cansaço mental. É de grande importância que a pessoa sinta-se psicologicamente bem quando estiver trabalhando.

Fonte: www-usr.inf.ufsm.br/~cacau/elc202/ergonomia.html

- Dor no Pescoço
- Dor nas costas
- Dor nos braços ou ante-braço
- Dor nas mãos
- Sensação de cansaço
- Desconforto
- Outros problemas de saúde (LER / DORT)
- A melhor coisa é prevenir estes problemas;
- Mantenha-se sempre na postura NEUTRA;

Postura neutra pode significar um dia mais produtivo e mais confortável para você.

- Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço.
- Manter a cabeça e pescoço em posição reta, ombros relaxados.
- Manter a região lombar (as costas) apoiada no encosto da cadeira ou em um suporte para as costas.
- Manter o antebraço, punhos e mãos em linha reta (posição neutra do punho) em relação ao teclado;
- Manter o cotovelo junto ao corpo;
- Manter um espaço entre a dobra do joelho e a extremidade final da cadeira.
- Manter ângulo igual ou superior a 90º para as dobras dos joelhos e do quadril;
- Manter os pés apoiados no chão ou quando recomendado, usar descanso para os pés.

Fonte: www.saude.sc.gov.br/SaudeTrabalhador/textos/Ergonomia_postura%20Slides.ppt

Em agosto de 2000, a IEA (Associação Internacional de Ergonomia) adotou a definição oficial apresentada abaixo:

A Ergonomia (ou Fatores Humanos) é uma disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas, e à aplicação de teorias, princípios, dados e métodos a projetos a fim de otimizar o bem estar humano e o desempenho global do sistema.

Os Ergonomistas contribuem para o planejamento, projeto e a avaliação de tarefas, postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas de modo a torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas.

Domínios de especialização da Ergonomia:

A palavra Ergonomia deriva do grego Ergon [trabalho] e nomos [normas, regras, leis]. Trata-se de uma disciplina orientada para uma abordagem sistêmica de todos os aspectos da atividade humana. Para darem conta da amplitude dessa dimensão e poderem intervir nas atividades do trabalho é preciso que os Ergonomistas tenham uma abordagem holística de todo o campo de ação da disciplina, tanto em seus aspectos físicos e cognitivos, como sociais, organizacionais, ambientais, etc. Freqüentemente esses profissionais intervêm em setores particulares da economia ou em domínios de aplicação específicos. Esses últimos caracterizam-se por sua constante mutação, com a criação de novos domínios de aplicação ou do aperfeiçoamento de outros mais antigos.

De maneira geral, os domínios de especialização da ergonomia são:

Ergonomia física: está relacionada com às características da anatomia humana, antropometria, fisiologia e biomecânica em sua relação a atividade física. Os tópicos relevantes incluem o estudo da postura no trabalho, manuseio de materiais, movimentos repetitivos, distúrbios músculo-esqueletais relacionados ao trabalho, projeto de posto de trabalho, segurança e saúde.

Ergonomia cognitiva: refere-se aos processos mentais, tais como percepção, memória, raciocínio e resposta motora conforme afetem as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema. Os tópicos relevantes incluem o estudo da carga mental de trabalho, tomada de decisão, desempenho especializado, interação homem computador, estresse e treinamento conforme esses se relacionem a projetos envolvendo seres humanos e sistemas.

Ergonomia organizacional: concerne à otimização dos sistemas sóciotécnicos, incluindo suas estruturas organizacionais, políticas e de processos. Os tópicos relevantes incluem comunicações, gerenciamento de recursos de tripulações (domínio aeronáutico), projeto de trabalho, organização temporal do trabalho, trabalho em grupo, projeto participativo, novos paradigmas do trabalho, trabalho cooperativo, cultura organizacional, organizações em rede, tele-trabalho e gestão da qualidade.

Fonte: http://www.ergonomianotrabalho.com.br/ergonomia.html

A exposição de mobiliário NeoCon, em Chicago, apresenta mobiliário de escritório aconchegante e ergonômico focado na sociabilidade e bem-estar no ambiente de trabalho.

A atenção especial à ergonomia e ao conforto nos móveis de escritório é o fator que mais chamou a atenção dos arquitetos Luiz Maganhoto e Daniel Casagrande, do escritório Maganhoto & Casagrande Arquitetos Associados. Eles visitaram a 42ª edição da NeoCon, feira de mobiliário realizada em Chicago, nos Estados Unidos.

Segundo os arquitetos, o design norte-americano se distingue muito do europeu pela preocupação maior com essas duas características em detrimento da beleza das peças. Eles apontam para a importância de profissionais da arquitetura e do design visitarem a exposição, que foi realizada no mês passado, no Mer chandise Mart Chica go, e comportou ainda exposição de novos designers máquinas para a área moveleira, tecidos e carpetes inovadores e antichamas. “No caso do Salão de Milão, as composições apresentam muito cuidado com a tecnologia, a plástica e a estética. Essa viagem à NeoCon nos permitiu re ver conceitos de ergonomia e sociabilidade. Para os americanos, o glamour está em produzir móveis que permitam que seus usuários sejam os melhores”, explica Maganhoto.

A ideia de “ser o melhor em tudo”, para produzir cada vez mais e com qualidade, é bastante difundida na maioria dos móveis expostos – quase todos da Califórnia e de Nova York –, segundo os arquitetos.

Cadeiras que se adaptam a qualquer funcionário e que permitem a postura adequada, lounges para reuniões mais descontraídas e até móveis com laminado plástico, para que as ideias sejam escritas ali mesmo, sem preocupações com papel e caneta, são alguns exemplos desse comportamento. “Eles acreditam muito na sociabilidade, interação entre as pessoas, na troca de ideias para o desenvolvimento”, diz Maganhoto. “O norte-americano quer oferecer o melhor ambiente de trabalho ao funcionário, para que ele desempenhe bem sua função e gere resultados à empresa. Essa política de interesses acaba favorecendo o ser humano, conferindo a ele melhores condições de trabalho”, completa.

(fonte: Publicado em 25/07/2010 | MARIANA DOMAKOSKI, ESPECIAL PARA A GAZETA DO POVOhttp://www.gazetadopovo.com.br)

TGT studio